Resumo IED – 1º Bimestre

Professora: Márcia Arnaud Antunes

Senso comum é um tipo de conhecimento prático e tem como base as evidências das ações diárias. O senso comum então retira sua veracidade através de um consenso de opiniões.

– A coincidência do senso comum e o método empirista é que o sujeito observa o objeto, registra os fatos sem nada lhe acrescentar, sem colocar sua opinião (subjetividade).

Opinião é assistemática (não relaciona um conhecimento com outro), ambígua, empírica (não ter experiência) e casual.

– ‘’Não basta, com efeito, uma sistematização do senso comum para termos uma ciência’’ -> A ciência difere-se do senso comum por ter estudos profundos e retificáveis e não uma simples reflexão dos fatos, assim uma organização desses reflexos não torna ciência, apenas o senso comum.

– ‘’ As teorias científicas resultam sempre de um processo de construção’’ -> As ciências se baseiam em provas, o senso comum se baseia em evidencias, o dado, portanto, a ciência trabalha contra essas evidencias do senso comum em um processo de construção de uma prova.

– ‘’Na verdade, é para o real que, em ultima instancia, se dirigem as teorias científicas’’ -> Termos a necessidade de explicar o mundo o tempo todo!

– ‘’ Todo dado é construído’’ -> o dado é uma mera informação, dessa forma começa construí-lo para chegar em um determinado resultado.

-A ciência através do dado traz estruturas teóricas que sobre ele agem e transformam, não fazendo apenas uma cópia desse dado. Mostrando então ser operativo (transforma) e não contemplativo.

– A idéia de verdade para o autor (Agostinho Ramalho) é retificável (sempre melhorando as respostas, pesquisando sempre) e refutável (rebate, nega para que tenha resposta).

– O conhecimento cientifico é retificável e a busca pela ciência é pela verdade, há um paradoxo, pois não há verdade absoluta, é sempre aproximada, assim sempre há novas pesquisas não para fazer das anteriores afirmações falsas, mas para ter uma maior prova ainda, ou seja, sempre em busca da verdade.

– O corte epistemológico é escolher um determinado objeto do conhecimento, fazendo cortes e chegando a uma escolha. Ruptura é quando tem uma idéia nova e descarta a anterior

– Os três axiomas de Bachelard são:

• só ganha sentido se houver o erro para que haja polêmica

• intuições devem ser destruídas, dando lugar ao construído e ao dado como resposta.

• o objeto como perspectiva das ideias, o pensamento vai ao real e não parte dele.

– ‘’ a ciência é essencialmente teórica’’ -> pois a teoria é testada na prática e a ciência é vista como um estudo na prática.

Teoria e prática são complementares, pois a teoria sem a prática se torna vazia, sem utilidade e a prática sem a teoria se torna assistemática, ineficaz. O conhecimento se aperfeiçoa quando se alia a teoria com a prática.

– A ciência pura é essencialmente teórica ao passo que a ciência aplicada é objeto da prática. O autor discorda, pois nos leva a pensar que são distintas e ambíguas, só que na verdade são complementares uma depende da outra. Não existe teoria sem uma prática imediata e não existe uma prática sem ser organizada ou estruturada por uma teoria.

– A distinção entre ciência e técnica é que a primeira é procedimento teórico que visa a criação do saber, construindo e retificando conceitos. Já a técnica é a aplicação prática e concreta dessas teorias -> ciência realizada.

– O positivismo tem uma forte carga ideológica devida a três crenças:

• transparência de dados: ciência capta a realidade como é, resultando na supervalorização do conhecimento científico.

• lei dos três estados: teológico inicial, metafísico intermediário e positivismo.

• poder da ciência: fé excessiva e um tanto ingênuo.

Responsabilidade social é que o cientista não pode ser neutro em suas pesquisas, ou seja, não deve deixar de lado a conseqüência do seu trabalho para a sociedade. Um cientista neutro sequer iniciaria sua pesquisa, não saberia o que escolher, além de limitar a descrição do objeto, ou seja, de acrescentá-lo conteúdo dessa forma não sendo um verdadeiro cientista.

– ‘’ O sistema de valores ideológicos e políticos condicionam, embora nem sempre determine, a produção de teorias científicas’’ -> Os aspectos da nossa realidade também servem como objetos para a criação de uma teoria.

– A neutralidade axiológica (cientista ser neutro) na visão de Weber é que o cientista não deve aproveitar sua capacidade intelectual para colocar seus pontos de vistas e até preconceitos, em uma determinada teoria, mas também não deve ser neutro e sim ter uma participação crítica para descobrir e construir uma explicação capaz para tais objetos.

Mito do positivismo do cientificismo: a ciência traz o aprofundamento do assunto e a filosofia é como se fosse um treino do cérebro, um treino crítico, que temos que incorporar, vendo o total, tendo uma visão que incorpore algo.

– Diferença entre ciência e filosofia: A ciência realiza a parte analítica, ou seja, divide o todo através do corte epistemológico se aprofundando em cada parte. Já a filosofia realiza a parte sintética, fazendo o caminho de volta para ter a visão da totalidade. Por mais que realizam papéis diferentes, elas se completam.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s